Arquiteto japonês Sou Fujimoto descreve como imagina nossas casas no futuro

Arquiteto japonês Sou Fujimoto descreve como imagina nossas casas no futuro 3

A mistura de natureza e arquitetura – ou, segundo ele, o que acontece entre uma e outra – proposta pelo arquiteto Sou Fujimoto se desdobra em conceitos cada vez mais desafiadores à medida que o japonês é chamado para desenhar novos projetos em diferentes pontos do planeta. Seja em suas residências que reinventam as noções de interior e exterior, seja nas obras públicas em que se permite experimentar ainda mais, Fujimoto mira no passado primitivo do ser humano para redefinir os espaços do futuro.

Às voltas com novíssimos projetos que ele adiantou para a plateia do Design Indaba, na Cidade do Cabo – entre eles , a provisoriamente batizada Casa da Música Húngara, em Budapeste, e um complexo multiuso em Paris – Fujimoto conversou com Casa Vogue sobre algumas particularidades do seu trabalho.

No Japão, de um modo geral, quase nada é deixado ao acaso – tudo é pensado ao extremo para que ninguém tenha que improvisar. Seus projetos, no entanto, parecem propor o oposto disso – você faz questão de afirmar que o importante é permitir que as pessoas escolham como usar o espaço. Seria essa uma forma de se contrapor à cultura do seu país? E talvez de se opor à ideia de controle total sobre o projeto, defendida por muitos arquitetos?

“Não é que eu queira me colocar contra nada, é só que faz bem manter esse campo aberto, onde as pessoas podem ser mais lúdicas e sim, improvisar o que fazem. Eu mesmo vivo assim, e pensar a arquitetura de uma maneira mais simples é muito animador. Mas acho que a vida contemporânea está ficando cada vez mais desse jeito, nós não precisamos mais ser definidos por algum conceito fixo, a todo momento novas coisas estão acontecendo e você pode se inspirar a partir delas. Acho que a riqueza da vida hoje está nessa diversidade, nessas muitas possibilidades”.

Bem, certamente você não está sozinho , suas casas mais famosas foram feitas no Japão, então deve ter gente lá pensando como você…

“Não muita! (risos) Felizmente temos alguns clientes legais, e recentemente não só no Japão, mas em outros países também. Eu acredito que no mundo inteiro há pessoas interessadas em aproveitar a vida de outra forma, e é isso que me deixa otimista sobre o meu trabalho”.

Nossas casas ainda terão salas de estar, jantar, cozinhas, banheiros, etc. no futuro?

“Uau! Talvez, talvez não…Talvez não precisemos ter essas funções tão definidas [para os ambientes]. Podemos ter coisas mais abertas, mais parecidas com paisagismo, onde seja possível brincar mais com a função de cada espaço. Mas é claro que, ao mesmo tempo, precisamos manter nossa privacidade…”

Então você se importa com a privacidade, no fim das contas?

“É claro! Eu gosto de trabalhar com gradações, daquilo que está lá no fundo até o que fica do lado de fora. E quando eu digo lá no fundo, estou falando de espaços privados, bem protegidos. Depois deles há outras áreas que vão ficando mais e mais abertas. Mas ideia é que você possa escolher – se realmente quiser ficar sozinho, meus projetos oferecem áreas de privacidade”.

E aquela casa que você estava projetando no Brasil, a quantas anda?

“Está andando. Tive boas conversas com o cliente, o projeto já mudou algumas vezes, mas isso é parte do processo”.

Fonte: CasaVogue